domingo, 12 de dezembro de 2010

O universo contribui

Passo o tempo imaginando se a minha vida seria diferente caso eu tivesse feito outras escolhas no passado. Quanto tempo perdi fazendo bobagens, escolhendo outros caminhos que naquele momento pareciam ser o mais acertado, mas que na verdade eram verdadeiras armadilhas da vida, daquelas que só nos damos conta quando estamos cansados de apanhar.
Bem, será que dá para correr atrás do prejuízo? É o que estou tentando fazer. Mas acredito que tudo tem sua hora e um porquê, pois a vida me ensina a refletir com mais clareza sobre minhas escolhas. A pouca experiência de vida ensina a equilibrar o que é ou não importante. E como é bom acordar e saber que não é tarde para conseguir realizar os meus objetivos, sei o quanto é importante estudar, buscar o conhecimento sabendo sempre o caminho que eu quero seguir.
Como é bom traçar um caminho e saber que é possível, basta querer, basta acreditar em Deus e em mim e na minha capacidade. Tem uma frase de Paulo Freire que diz “Quando você quer muito alguma coisa todo o universo contribui para que você realize”. Os obstáculos são muitos, mas a vontade de vencer é maior. As pedras surgirão e servirão de alicerce para minha vitória.

Eleni Barbosa Alves
Pedagogia, Plataforma Freire
Dezembro de 2010

Num fim de tarde às margens do rio São Francisco

NUM LINDO HORIZONTE!

Ao refletir minha vida num fim de tarde às margens do rio São Francisco me deparei com uma semelhança muito grande entre a maré e meus problemas.
Que semelhança são essas?
Meus problemas estão sempre indo e vindo?
Os mesmos estão sempre indo e vindo, trazendo-me uma angústia tamanha. Ao mesmo tempo chego a manter a esperança de que um dia tudo será tranqüilo e agradável. E esse dia quando chegará?
Levo uma vida corriqueira, estou sempre em busca de novas aprendizagens, deparo-me com dificuldades que chego a pensar:
Terão soluções? Quando solucionarei meus problemas?
Diante disso paro, reflito, coloco nas mãos de Deus e aguardo uma solução.
Deus, ah! Deus o criador do mundo, de todas as coisas e que principalmente sempre está presente em todos os momentos da minha vida. Acredito que por tudo que já passei nessa vida tanto as coisas positivas como as negativas.
Atualmente sinto-me a caminho da realização, no qual, já consegui grandes, conquistas como uma linda família, meu trabalho e minhas faculdades.

Erica Cristina de Almeida
Plataforma Freire-UNEB

Texto de Felícia - Mais práticas de solilóquios...

Momentos

Na vida passamos por vários momentos, hora estamos felizes, hora estamos tristes.
Uns fazem escolhas próprias, tem opinião própria, outros não vão por si mesmo, pois não tem ainda suas próprias escolhas e o que os outros acharem bom pra você também está.
Na vida brincamos, rimos, pulamos, corremos, fazemos amizades, damos carinho, afeição, amamos... Mas também tem aqueles que não brincam, não rir, não pulam, não correm, não fazem amizades e por isso não sabem dar carinho, afeição e o mais importante de tudo não sabem AMAR.
O AMOR é o sentimento mais sábio e lindo que DEUS fez e deixou para nós praticarmos uns com os outros. Ele está presente no meio familiar, nas amizades mais sinceras e no romance verdadeiro. Quem conhece o AMOR? Eu, você, afinal todos aqueles que vivem que o praticam que o sentem.
O primeiro passo a ser dado para que possamos sentir e praticá-lo ao mesmo tempo é tendo AMOR a sua própria VIDA. Isso é uma grande prova de que você tem capacidade de AMAR, dando valor a sua própria VIDA. Você sabe AMAR a si próprio também saberá a AMAR os outros.
Por isso AME para que seja AMADO (A).

Autora: Maria Felicia dos Santos

Texto de Felícia - Mais práticas de solilóquios...

Momentos

Na vida passamos por vários momentos, hora estamos felizes, hora estamos tristes.
Uns fazem escolhas próprias, tem opinião própria, outros não vão por si mesmo, pois não tem ainda suas próprias escolhas e o que os outros acharem bom pra você também está.
Na vida brincamos, rimos, pulamos, corremos, fazemos amizades, damos carinho, afeição, amamos... Mas também tem aqueles que não brincam, não rir, não pulam, não correm, não fazem amizades e por isso não sabem dar carinho, afeição e o mais importante de tudo não sabem AMAR.
O AMOR é o sentimento mais sábio e lindo que DEUS fez e deixou para nós praticarmos uns com os outros. Ele está presente no meio familiar, nas amizades mais sinceras e no romance verdadeiro. Quem conhece o AMOR? Eu, você, afinal todos aqueles que vivem que o praticam que o sentem.
O primeiro passo a ser dado para que possamos sentir e praticá-lo ao mesmo tempo é tendo AMOR a sua própria VIDA. Isso é uma grande prova de que você tem capacidade de AMAR, dando valor a sua própria VIDA. Você sabe AMAR a si próprio também saberá a AMAR os outros.
Por isso AME para que seja AMADO (A).

Autora: Maria Felicia dos Santos

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Saudades da Minha Infância

Ai , que saudades que tenho
De quando era criança
Vivia uma infância
Bem colorida e feliz
Para mim, tudo era brincadeira
As pessoas verdadeiras
E o mundo faz de conta
Sonhava acordada
Hoje já não posso mais
Vivo na realidade
Onde pouca gente é feliz;
Tempo bom e que não volta
Mas, de verdade, eu curti!.
Joselina Martins Pereira - Thamys
Enologia - VE 05

Solilóquios produzidos em Dezembro 2010 - Plataforma Freire - Ainda sobre o mesmo tema: reflexões sobre a vida


Tudo ou nada

Sabemos que todos nós, em algum momento de nossa vida, somos obrigados a partir para o tudo ou nada. E quanta gente deixa de realizar os seus sonhos por não ter coragem de arriscar.
Em alguns instantes decisivos da vida, lembrei-me das incontáveis situações desafiadoras.
Há, porém, situações frustrantes em que a gente não consegue resolvê-las e que nos fazem viver debaixo de um manto de dor. Em meio a esse sofrimento contínuo, um dia nossa consciência desperta e percebemos que para mudar precisamos dizer: É agora ou nunca! Ou tudo ou nada!
Comecei então a me questionar: O que fazer quando se está diante do desconhecido? Será que eu ainda consigo dar os saltos que a vida exige de mim?
Reconheço que não é fácil lançar no desconhecido quando não se tem clareza do que vem pela frente, pois o medo do desconhecido pode nos tornar inseguros.
Kelis Willian
Plataforma Freire - Em 08/12/2010

Reconstruindo um sonho

Paro, penso na minha vida. Será que realizei meus sonhos? Em quem pensei? Na minha família? Preciso refletir mais, e descobrir é isso mesmo?Sinto que sempre vai haver tempo de recomeçar e mudar, reconstruir minha vida.
Agora, sei que pensei, pouco fiz, muitas escolhas, algumas acertei outras deixei a desejar. Crescemos em uma sociedade onde podemos permanecer aceitando os erros adquiridos no próprio meio. Hoje não vou recuperar o tempo perdido, mas sigo atrás de novos conhecimentos.
Precisei de um tempo para trabalhar e manter os meus estudos, as dificuldades financeiras não permitiram que estudasse, por quê?
Mas uma vez minha obrigação de mãe falou mais alto. Quando apareceu a oportunidade de estudar na Plataforma Freire foi um presente. O primeiro passo que daria para completar o meu maior sonho foi fazer faculdade; agora sei que é a hora de recomeçar. Conheci muitas pessoas,umas guardo no fundo do meu coração, outras serviram de reflexão. Algumas pensam que sou uma mulher decidida, forte. Sou como outra pessoa qualquer ,tenho família, trabalho e problemas, não sou perfeita, porém tento fazer o meu melhor. Hoje sou feliz tenho duas lindas filhas e bons amigos.
Ana Paula Souza Leite
Plataforma Freire

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Vale a Pena

Muitas vezes me pego pensando em como a vida é maravilhosa, pois ela nos dá a oportunidade de estarmos sempre revendo as nossas atitudes enquanto pessoas.
Fico me perguntando se vale a pena guardar mágoa de alguém ou se não era melhor ter feito isto do que aquilo?
Quantas vezes me questionei se vale a pena deixar de fazer certas coisas com medo de que não fosse dar certo. Com o tempo aprendi que devemos fazer tudo que tivermos vontade desde que arquemos com nossas ações.
Sou professora e tenho muito orgulho da escolha que fiz já que antes de me aventurar por esse caminho tentei outros cursos antes de me decidi pelo de magistério. Sei que é uma profissão muitas vezes que é desmerecida por muitos e o salário é uma negação e o trabalho é muito já que, ao sair da escola o trabalho não fica lá me esperando até a semana seguinte muitas vezes levo trabalho para casa.
Muitas vezes me angustio com certas situações como: será que vale a pena buscar sempre novas formas de ensinar? E se meu aluno não aprender a culpa será minha por não conseguir passar de forma que ele aprenda? E a família será que não pode me ajudar a conseguir alcançar essa aprendizagem?
Só que depende de mim não de outros conseguir alcançar esses objetivos; e quando eu vejo uma carinha feliz me dizendo “tia eu sei fazer” sei que todo esse processo valeu a pena.
Aprendi que vale a pena sair de casa às seis da manhã para fazer uma graduação, mesmo que para isso tenha que deixar com o coração partido meu filho que ainda é um bebê ou até chegar a levar ele comigo. Pois, no final da caminhada sei que vou olhar pra trás e ver que valeu a pena todo esse sacrifício já que estou trilhando um caminho que só me fará crescer enquanto pessoa.

Andréa Merquiades
Plataforma Freire- 07/12/10

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Brevidade da Vida

A agitação do cotidiano preenche o dia-a-dia de atividades e obrigações que raramente nos proporcionam oportunidade de meditar acerca do que estamos priorizando em nossa vida. Dessa forma, às vezes, aquilo que dizemos que é importante não ocupa um lugar secundário em nossa vida? Se a vida é como uma bruma no mar que não dura muito tempo, não deveríamos usufruir a brevidade da vida ao lado de quem amamos?
A família é o bem mais precioso que temos, ela é à base da sociedade. Nela estrutura-se a moral, os valores e credos. É na família que aprendemos a amar, a respeitar, a cuidar uns dos outros e nela encontramos apoio emocional como um porto seguro nos momentos de aflições e pressões.
Podemos assim ilustrar que, como uma árvore necessita de sol e água para que suas raízes se desenvolvam e se firmem, a família precisa passar tempo juntos para firmar seus laços de afetividade e ajudas mútuas. Para isso, precisamos refletir sobre como estamos usando nosso tempo. Estamos permitindo que os desejos dos olhos façam-nos consumidores compulsivos de maneira que precisaremos trabalhar cada vez mais para suprir esses desejos? Será que sabemos diferenciar as reais necessidades materiais do que é supérfluo? Por levarmos uma vida financeira equilibrada isso contribuirá para termos o tempo necessário para família, e é esse alicerce que encherá nossa vida de significância e felicidade.

Luciana Rodrigues da Costa Lima
Plataforma Freire - UNEB-DCH III
Sobradinho-BA

Inspirações em Sala de Aula

Em sala de aula nem sempre temos boas inspirações para a escrita. Talvez, nós, professores, tenhamos que refazer nossos conceitos. Aqui surgem as produções no curso de Português Instrumental na turma de Enologia do Instituto Federal Sertão Pernambucano como a evidência de que a arte da palavra pode trazer muitos significados para a vida dos jovens. Eles se desabrocham como os primeiros raios de luzes do nosso sertão.
Meu agradecimento especial a cada autor e autora deste projeto simples de construção do texto.
Roda da vida

Finais, finais, novos começos
A roda da vida gira lentamente,
Que esta questão seja bem resolvida
Deixando-me livre para seguir em frente.

Agora verei finalmente um desfecho
Em algo que o tempo não decidia.
A solução virá como que por encanto
Do pôr-do-sol ao raiar do dia.

Finais, finais,novos começos,
Portas se abrem de par em par.
A roda da vida gira que gira
Sem nunca temer o que possa encontrar.

O frio abate os jardins de verão
E a tristeza estende o seu alvo lençol,
As flores se foram, mas as sementes aguardam
O momento oportuno de renascer sob o sol.

Morgan Leféy (João Antonio)

Pensamentos....
Dizem que se conhecemos os outros
E conhecemos a nós mesmos,
Não correremos perigo em
Cem batalhas .
Se não conhecemos os outros,
Mas conhecemos a nós mesmos,
Perdemos uma e vencemos uma.
Se não conhecemos os outros,
Nem conhecemos a nós mesmos, correremos
Perigo em cada uma das batalhas.

Valéria Soares.

Paródias: Saudades da Infância.

A partir da leitura do poema "Meus Doze anos", releitura do texto "Meus oito anos" de Casimiro de Abreu, os alunos de Enologia produziram suas impressões sobre a saudade de um tempo não muito distante, já que eles estão vivendo os anos de ouro da juventude.
Inicialmente, segue o texto de Chico Buarque, logo depois as produções realizadas em sala de aula.

Poema: Doze anos

Ai, que saudades que eu tenho
Dos meus doze anos
Que saudade ingrata
Dar banda por aí
Fazendo grandes planos
E chutando lata
Trocando figurinha
Matando passarinho
Colecionando minhoca
Jogando muito botão
Rodopiando pião
Fazendo troca-troca

Ai, que saudades que eu tenho
Duma travessura
O futebol de rua
Sair pulando muro
Olhando fechadura
E vendo mulher nua
Comendo fruta no pé
Chupando picolé
Pé-de-moleque, paçoca
E, disputando troféu
Guerra de pipa no céu
Concurso de pipoca.
Por: Chico Buarque.

Versão
Doze anos
Por Leovando Soares
Turma: VE 05 Enologia - IF Sertão Pernambucano

Ai, que saudades que eu tenho
Dos meus doze anos
Saudade que mata
Brincava por aí
Fazendo besteiras
Conversando leseiras
Quebrando vidros e
Até torneiras

Chutando latinhas e
Brincando de médico
Com as menininhas
Ai, que saudades que eu tenho.

Por: Leovando Soares
Infância querida

Ai, que saudades que eu tenho
Dos meus dias de criança
Que saudade ingrata
De não fazer nada por ai
Fazendo grandes brincadeiras
Brincando de pau da lata
Brincando com os vizinhos
Passarinhando à noitinha
Brincando o dia todo
Tentando rodar pião
Jogando bolinha de gude
E louca para crescer logo
Mas, que decepção!

Maria das Graças - VE 05 - Enologia -IF Zona Rural

Grande foi minha surpresa ao ler este outro texto de Maria das Graças a partir da releitura do poema 'Ismália' de Alphonsus de Guimarães. Resolvi, então, dar-lhe um título. Os leitores poderão sugerir outros títulos, bem como parabenizar nossa querida autora.

Paródia ( O vinho veio pra brilhar)

Quando o vale cresceu
Por causa do seu terror...
Viu-se uma uva nascer
Viu-se outra uva brotar.

Num sonho em que se colheu,
Todos quiseram provar...
Queria colher-se a moscatel
E também a Syrah...

E num descuido seu
Todos vieram chupar
Gostaram da moscatel
Mas preferiram a syrah...

E como a uva se desenvolveu
Quiseram averiguar...
Primeiro descobriram a moscatel,
E depois a syrah...

As uvas que Deus nos deu
Melhoraram e querem melhorar
Seu suco ganhou troféu
E seu vinho veio pra brillhar...

A Universidade: toda a felicidade do mundo está aqui

Meu texto é um Solilóquio
Olhando aquela imagem de uma pracinha em frente o mar, lembrei-me da minha infância, mergulhando no rio Salitre com minhas colegas.
Hoje a convivência com minhas companheiras e professoras, aqui na UNEB só causa lembranças das maravilhas vividas em minha infância. Atualmente estou vivendo toda felicidade do mundo, estudando em uma Universidade que não foi possível na minha juventude, somente agora esta oportunidade. Não posso deixar pra trás. Com toda dificuldade, mesmo assim não vou desistir. Meus pais me deram a maior força quando jovem, por falta de recurso não foi possível cursar uma faculdade, não desisti do meu sonho, recebi uma carta da Secretaria de Educação de Juazeiro convocando os docentes para realizar uma inscrição, fiz, participei do processo seletivo e fui selecionada. Apesar de muitas dificuldades, acontecimentos que passamos na estrada como: acidentes, mau cheiro do lixão, transporte...
Lendo o texto de Machado de Assis, A Cartomante, percebo que cada leitura pede o seu ritual próprio. Ler um romance não é o mesmo que ler um poema ou uma notícia de jornal. Eu me sinto entre este ritual, assistindo a TV, fico imaginando tanta violência no Brasil no mundo, tenho vontade de desligar a TV para não ver tanta tristeza e sofrimento nos rosto das pessoas. Se essas pessoas estivessem em uma Universidade estava acontecendo este tipo de violência?
Olhando tudo isso, permaneço refletindo na trajetória na qual eu e meus colegas fazemos 36 léguas para Universidade, do Salitre até minha residência caminho pelo mato. Confesso, fico com medo porque pelo caminho observo muitos acontecimentos.
Mas, estou superando todas as dificuldades em minha vida.

Plataforma Freire.
Maria José Clara de M. Bispo
Dia 6 de dezembro de 2010

sábado, 4 de dezembro de 2010

Minhas imaginações diante de um lindo mar

Tive a oportunidade de visitar um mar numa pequena viagem que fiz ao Rio de Janeiro, no momento em que necessitava de um espaço para refletir, pois me encontrava confusa diante de tudo; como se estivesse procurando um novo caminho - criar novos sonhos, recomeçar minha vida; enfim, que tudo mudasse dentro de mim.
Como foi bom sentar naquele banco em frente o mar. Isso me ajudou a encontrar um novo rumo para minhas ideias, pensamentos soltos, dúvidas, medo e várias interrogações.
Por que há momentos na vida em que nos sentimos amadurecidos, mas
estamos despreparados?
Oh! Que momento prazeroso olhar para cada onda daquela água respondendo o que vinha nos meus pensamentos e cada vez que uma onda passava era uma nova sensação gostosa como se as ondas transmitissem para mim que tudo na vida passa e uma nova vida virá, como uma onda do mar.

Gislene Barbosa – Solilóquio produzido na disciplina Língua Portuguesa
Plataforma Freire
Enviado dia 01 dezembro 2010