terça-feira, 21 de junho de 2011


Esta foto foi tirada com os alunos e alunas de Horticultura- TH 10 no laboratório de Informática nas atividades de produção textual sobre o Solilóquio.

"Olá, Antonise, Segue um texto inédito, uma espécie de solilóquio, que criei pro meu blog mas não postei." Essas foram as bonitas palavras da Professora Edlúcia. Sentimo-nos maravilhados com esta contribuição. Afinal, a escrita é construída com ingredientes lá de dentro do coração. Assim como fez nossa querida Professora.

TERRAINTERNA

Aqui jazem as tristezas que eu pari e nascem as algumas alegrias que eu puder contar. Exploro meu território interior, minha natureza, minha ternura e minha barbárie.

Início de noite: há pouco estava vendo um programa sobre realismo mágico-Colômbia-Gabriel Garcia Marquez. Sobre como os latino-americanos, afrontados em sua dignidade pela convivência com regimes ditatoriais, refugiaram-se no mundo que mistura real e imaginário. Uma esquizofrenia disfarçada, em que a “vítima” maneja os ingredientes (palpáveis ou não) com maestria e lucidez. Essa terra é um elogio a quem a ela pertence e todos nós nos reconhecemos nela e como parte dela... Soy loca por ti, América! Fechei os olhos, corri pela rua e voei sobre outras paragens (como o menino do filme BAARIA, a Porta do Vento): Santiago, Cidade do México, Buenos Aires e a Cartagena de Gabo, no meio das botas gigantes que decoram uma praça...

Fim de tarde: como nada é por acaso, estava lendo Borges e transmutei sua intensa inspiração portenha... As palavras sobre as ruas de Buenos Aires podem traduzir o que sinto pelo Recife, de ruas que “já são minhas entranhas. Não as ávidas ruas, incômodas de turba e de agitação, mas as ruas entediadas do bairro, quase invisíveis de tão habituais, enternecidas de penumbra e de ocaso e aquelas mais longínquas privadas de árvores piedosas onde austeras casinhas apenas se aventuram, abrumadas por imortais distâncias, a perder-se na profunda visão do céu e da planura.” Por outro lado, a dor da distância, da sensação fronteiriça de não pertencer mais ao lá e não pertencer ainda ao aqui, incomoda... Depois de borgesear, as palavras vieram por si e escrevi no caderno, para não esquecer, e agora transcrevo: A minha tristeza pariu um pranto leitoso, sanguinolento, que nem a morte consegue estancar. Minha alma é um vaso de pedras e de rosas cadavéricas. Nada sei de mim exceto que sou um mosaico de dores, sem cor e sem sanidade. O passado não me acolhe, o futuro não me toca e o presente não me reconhece...

Gosto das reticências. Não por titubearem. Não as vejo assim. Aludem ao inacabado, ao surpreendente, às muitas possibilidades que as sucedem... Depois das reticências, que venha a alegria de viver, de fazer a mim mesma, com as tintas que eu escolherei, em novo tempo, em novas ruas.

Dias antes, entrevista do Dr. Dráuzio Varela no Roda-Viva: sobre sua experiência de estar à beira da morte e pelos depoimentos de alguns de seus pacientes, o médico conclui que a morte lenta prepara o indivíduo para o fim. Segundo ele, há um desligamento gradativo do moribundo em relação aos apegos, inclusive aos laços familiares. Não é um desamor. É uma conformação diante da iminência da partida. A morte anestesia o doente e as dores sobram para quem fica, até que o tempo aja para aplacá-las. Sábio Doutor Tempo, restaura-nos!
Professora Edlúcia Costa
História - IF SERTÃO ZONA RURAL

"Por vezes à noite há um rosto que nos olha do fundo de um espelho. E a arte deve ser como esse espelho que nos mostra o nosso próprio rosto." Jorge Luís Borges. Relacionem esta citação com a exteriorização dos sentimentos dos alunos sobre a felicidade, a vida.

APRENDO ASSIM...

Já me disseram várias vezes que certo mesmo é correr atrás da felicidade, mas quando vou atrás dela, ela se distancia cada vez mais e quando fico quieto ela me surpreende. Disseram-me que há coisas que so entenderei quando for mais velho e adquirir muitas experiências, mas já as entendo tão bem.
Já me disseram que o mundo conspira ao nosso favor quando queremos muito alguma coisa, só que sempre que consigo algo que quero muito eu que tive que mover o mundo porque vi que ele não iria movesse sozinho apenas por causa da minha vontade.
Sempre que ouço algo assim já acho que não acontecerá bem dessa forma, acredito que quanto mais eu vivo, mais aprendo. É ilário como a vida me derruba e acredito que não dá pra levantar e quase que ao mesmo tempo vejo que foi tão fácil me reerguer, então me sinto tão bem e tão forte, até acredito que nunca mais cairei de novo e é ai que mais uma vez vejo o chão, mas tudo bem, já aprendi como reagir diante disto, o abalo é menor e no lugar do desespero tenho paciência.
Hoje eu sei que só tenho que viver pra que a felicidade me encontre. Tenho que mover o mundo para alcançar meus objetivos, pois ele não se moverá sozinho e cair não quer dizer que é o fim e sim uma nova oportunidade de recomeçar e fazer tudo certo.

ADÁLIO BARBOSA DA SILVA NETO VE06
IF SERTÃO PE - ZONA RURAL

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Uma vida contestada
Parei para refletir sobre como a vida poderia ser contestada, me vi fazendo coisas e não entendendo o porquê.
Às vezes fazemos coisas e não temos uma base do porque fazemos, fazemos apenas pelas circunstancias que as trouxe. É nessas horas que me pergunto, porque o fazes, será que vale a pena, são perguntas que me vem a cabeça mais nem sempre consigo a resposta. O pior é que as pessoas às vezes acreditam no que fazemos, o que dificulta uma interrupção do mesmo, o medo de decepciona-las nos tira a coragem de interrompê-las, o que me faz aprender a conviver. Mais nem com isso conseguimos eliminar o porquê, acrescentamos apenas um “consigo”.
Antes de dormir ponho minha cabeça no travesseiro e não consigo enxergar a importância do dia que passa, talvez porque ele nunca passa, apenas se renova a cada dia. Na aceitação de uma vida que não me traz autoestima aprendi a repetir meus dias adaptando apenas ao seu meio. Mais, um dia vem a contestação, vejo que escrevi paginas em branco, algo não está completo, o tempo passou e eu não vi as horas, o livro fechou mais não consegui leitores.
Na contestação, vi que algo ficou, aprendi que elas me ajudam a evoluir, onde antes não havia vírgulas botei um ponto final.

Anderson Bezerra
VITICULTURA E ENOLOGIA - VE06

PRODUÇÕES TEXTUAIS:VE-06 e TH-10

Produções Textuais dos Alunos e Alunas das Turmas de Enologia VE-06 e Horticultura TH-10 a partir do tema A vida é bela.

A vida é bela...
Hoje me sinto uma pessoa feliz e realizada. Tenho sonhos como todo mundo tem, mas, sei que um dia vou realizá-los. As vezes sinto-me triste e é nesse momento que reflito sobre as coisas boas da vida e volto a sorrir. Se a vida é tão bela porque ficamos tristes? Problemas? Todos nós temos. Se não houvesse obstáculos viver não seria tão interessante. Alegria faz parte da minha vida e apesar de alguns problemas, acredito que dias melhores virão. A vontade de vencer é maior, e estar com saúde e do lado de quem amo já é uma vitória.

Valéria Cristina de Souza
Turma Horticultura
IF SERTÃO PERNAMBUCANO ZONA RURAL
23 de maio de 2011


Todo tempo estou tentando me superar


Todo tempo estou tentando me superar, ir em busca de mais e mais conhecimento, sabendo que minha busca será infindável. Onde devo parar com tanta busca? Às vezes nem mesmo sei onde quero chegar. Talvez no ponto mais alto, onde quem sabe uma tranquilidade existe, onde terei sombra ao sol. Quando era criança ficava pensando no que os adultos diziam para mim: “ah! Como é bom ser criança... pois não há preocupação com o dia de amanhã”. Hoje entendo a falta que me faz ser criança e não ter que me preocupar com os problemas que a vida trás, acordando sem precisar ter compromissos a cumprir. Como estudar várias coisas e tentar ser uma expert em algo a fim de sobreviver nesse mundo tão competitivo. Enquanto isso... fico aqui, numa luta constante, tentando matar um leão por dia para se sair bem.

ALUNA: CÁSSIA LALIANA CASTRO RODRIGUES

TH - HORTICULTURA 2011.1


Meu eu

Diariamente me pergunto quem sou?
Já passei horas na frente do espelho, perguntando quem sou,e já tive tanta certeza de mim a ponto de querer sumir,descobrir que me colocar em primeiro lugar não é egoísmo, que nem tudo vai ser como eu quero. Já menti e me arrependi por isso,já falei a verdade e também me arrependi, já fingi ser o que eu não sou para agradar alguém,e já foi o que eu sou para magoar outros,já acreditei em pessoas que não valeram a pena ,e deixei de acreditar nas que realmente valiam,já abracei e menti para proteger,já passei noites chorando até pegar no sono, com saudades de mamãe,e já fui dormir tão feliz ao ponto de nem fechar os olhos,vivi momentos inesquecíveis com pessoas também inesquecíveis,e já magoei alguém que mim amava para mais tarde chorar de arrependimentos ,já pulei de felicidades vendo fotos e ouvindo músicas, e já sorri chorando lágrimas de desespero,já tive tantos medo ao ponto de nem sentir o meu corpo,e já fui tão corajosa ao ponto de nem mim reconhecer,já cair em numeras vezes e também já mim reergui inúmeras vezes, já pensei que fosse morrer de saudades, e já tive tanto medo de perder alguém tão especial que perdendo,chorei quando não podia,caí quando não deveria,e me reergui na hora certa,pois vivi,e aos poucos percebi o que o vale a pena, e o que eu devo guardar por resto da vida,não tem como enterrar o passado ou voltar para fazer tudo diferente,e esquecer esse momentos é impossível. O tempo vai ser o sempre o melhor remédio, não vou ficar preocupada, pois nunca se sabe quem vai se apaixonar pelo seu sorriso,sonhei de mais ao ponto de confundir com a realidade mais descobrir que sonhos não são desejos superficiais, são projetos de vidas.
Sempre tenho em mente todos os dias ao despertar que vou correr atrás daquilo que almejo,daquilo que acredito ,pois o mundo pertence a quem se atreve, bom mesmo é ir a luta com determinação. Sei que sou o que sou hoje por consequências dos meus erros e acertos,perdas e vitórias,se houvesse um túnel do tempo eu voltaria Ao passado e faria todo de novo tudo exatamente como fiz, pois valeu a pena foi tudo maravilhoso, tudo inesquecível, tirei uma lição de tudo, até dos pequenos detalhes, sei que vou ser sempre levada pela emoção mesmo a razão tendo razão,pois me achei quando me perdi ,estou segura de que não sou nem perfeita,nem imperfeita,podem zombar das minhas idéias, falarem de mim,não importa,o que importa e que não tenho nada mais tenho tudo.pois sou apenas uma menina a procura de si mesma.

Ivaneide Silva Rodrigues.
Horticultura 10

Cheguei para aterrisar em pensamentos

Cheguei de Recife faz dois meses, e me questiono se eu tenho que me adaptar ou Petrolina se adaptar a mim. Minhas células programam automaticamente um tipo de perspectiva que perderam suas funções, e agora depois de uma tempestade de indagações concluo que, agentes influenciadores têm que se adaptar a mim. Um ponto importante e valioso da minha mudança foi reacender o fogo de velhos sonhos tornando-os menos ficção e muito mais realidade. Tornando-se uma saga ultrapassando limites, inibidores, maus conselheiros e uma sociedade anonimamente maldita, abrindo portas onde não existem, quebrando regras elaboradas por mentes infectadas de uma doença chamada egocentrismo. Anseio me tornar um atuante que permeia as ideias de uma sociedade psico-intocável. Cheguei para aterrisar em pensamentos e todos terão de atestar minha sanidade ou insanidade dependendo de pontos de vistas alheios.


Raphael Carvalho de Andrade Lima
IF-Sertão - Viticultura e Enologia- VE 06