domingo, 11 de setembro de 2011

NOVAS PRODUÇÕES TEXTUAIS - OS CURSOS DE AGROECOLOGIA E HORTICULTURA DO INSTITUTO FEDERAL SERTÃO PE - ZONA RURAL

Reflexões sobre os cursos de Agroecologia e Horticultura a partir da perspectiva da argumentação.
A partir do estudo sobre Tópicos Frasais, os alunos e alunas desenvolveram textos argumentativos com questionamentos sobre a importância do novo curso de Agroecologia do Instituto Federal Sertão Pernambucano, Zona Rural, bem como a valorização do ensino superior na Instituição e a repercussão que esses novos cursos trazem para o vale do São Francisco.
Gostaríamos de receber comentários, discussões sobre os argumentos apontados.
Profª Antonise



A função da  Agroecologia no sistema agrícola
                      
    A agroecologia pode ser definida como uma nova e mais qualificada aproximação entre Agronomia e Ecologia, isto é, de modo a aplicar medidas sustentavéis na agricultura com o objetivo de reconstruir os sistemas humanos de maneira que se encaixem adequadamente nos sistemas naturais.

     Em que pese a importância fundamental da compreensão dos processos ecológicos na agricultura, essas duas ciências, a Agronomia e a Ecologia, seguiram na maior parte das vezes por caminhos paralelos, como se fossem concorrentes e não complementares.Mas recentemente, a população já pensa de outra forma, que tais devem caminhar de mãos dadas, com o propósito de adquirir o conceito de processos ecológicos, e integrá-los ao manejo de uma agricultura sustentável.

      Neste sentido, a Agroecologia busca a aplicação de princípios ecológicos básicos no manejo de agroecossistemas, ou seja, busca um equilíbrio ecológico nos sistemas produtivos agrícolas. Exemplo:a compostagem, que assegura condições ao solo para tornar-se favorável para o crescimento das plantas, aumentando a atividade biótica do solo, usando somente matéria orgânica;a aplicação de defensivos agrícolas,que tem a função de reduzir a incidência de pragas e doenças;o manejo do microclima, que possui a finalidade de minimizar as perdas relativas aos fluxos de radiação solar, de ar e de água ,entre outras.

       Isso promove um entendimento de que, o controle de pragas, por exemplo, não é um problema químico, mas sim ecológico e,  portanto, exige conhecimentos diferenciados. Isso quer dizer que devemos buscar sempre o aumento dos processos ecológicos auto-reguladores das populações que possam vir a causar danos, que seriam: os insetos ,as doenças ou ervas infestantes, desse modo a necessidade de que é preciso compreender o papel e a função da biodiversidade dentro dos sistemas agrícolas, para usá-la a favor da busca de maior sustentabilidade e equilíbrio dinâmico dos agroecossistemas.

       Por fim, os sistemas agrícolas mais suntentáveis são aqueles cujo funcionamento se aproximam das características naturais dos seus ecossistemas, onde estão inseridos, e isso exige aportes de conhecimentos ecológicos, como também saberes populares.Assim, ao contrário da intensificação no uso de insumos químicos e de mecanização que preconizam os modelos convencionais para a agricultura industrializada, o que precisamos é intensificar os mecanismos ecológicos, por meio da biodiversidade funcional e da complementaridade entre espécies,potencializando o sinergismos,para uma maior resiliência dos agroecossistemas que estamos manejando.      
Aluna Priscila

Nenhum comentário: