domingo, 16 de dezembro de 2012

A Arte da Leitura é a Releitura

Considerações sobre as atividades do blog Tempo da Palavra neste final de ano de 2012.

Agradeço a oportunidade de usar este espaço para divulgar as ações da sala de aula de Língua Portuguesa e como tenho aprendido sobre o texto literário com os meus alunos e alunas. Segundo a Professora Irandé Antunes,  nas aulas de Português, muitas vezes, se desvirtua inteiramente esse aspecto do texto literário, ( ...) desviando o olhar do aluno do encantamento que a literatura é chamada a produzir.  ( 2012:133). 

Sei que é preciso um cuidado particular em cada interpretação feita dos contos, dos poemas, mas acredito que o primeiro passo é permitir a leitura em sala de aula, ampliar para outros espaços na própria escola e, em seguida, a produção de declamações, recitais, e outros eventos.

A partir desta perspectiva, é que as atividades com o texto literário tem proporcionado a oportunidade de extrair os potenciais, talentos dos alunos e alunas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano.  

Em 2013, faremos muito mais para haver o prazer da leitura gratuita, da troca de emoções e declarações de amor na busca pelo conhecimento. Agradeço aos meus colegas professores, aos alunos de todas os níveis e séries e, principalmente, aos seguidores do  Blog Tempo da Palavra.

Território das Palavras é um novo trabalho da autora Irandé Antunes o qual aborda a importância do lêxico, das diversas palavras em suas diferentes colocações no universo da escrita. Material Pedagógico necessário a todos os professores.


                                                     
LIVRO: TERRITÓRIO DAS PALAVRAS DE IRANDÉ ANTUNES. Editora Parábola.

Releituras de Contos Africanos e Contos Machadianos


A atividade de releitura com os contos Machadianos foi uma proposta muito oportuna diante dos desafios que vivemos em sala de aula, principalmente em cursos técnicos, para que os jovens se encantem com os textos literários. 

No contexto em que trabalhamos, o processo de leitura e escrita passa por  diferentes gêneros, tais como relatórios, ofícios, memorandos, cartas, porém os literários são colocados em segundo plano. Por isto, esta atividade teve um ótimo resultado com as produções construídas pelos grupos, nesta primeira etapa. 




         NOVA VERSÃO DE A  CARTOMANTE
Grupo de Rafaela Maria, Gerlane Dias.
Turma 3219

EM UMA LINDA MANHA DA SEXTA-FEIRA DO MÊS NOVEMBRO DE 1869, HAMLET OBSERVA A HORÁCIO QUE HÁ MAIS COISAS NO CÉU E NA TERRA DO QUE SONHA A NOSSA FILOSOFIA. ERA A MESMA EXPLICAÇÃO QUE DAVA A BELA RITA AO MOÇO CAMILO. ELA NAQUELE DIA RESOLVEU PROCURAR UMA CARTOMANTE QUE LHE DARIA AS NOTICÍA PRECISA DO SEU GRANDE AMOR.
­­­­ CAMILO AO ESCUTAR O QUE ELA TINHA FALADO COMEÇOU EM SEGUIDA A RI DELA; POIS LEVAVA TUDO A BRINCADEIRA E DESACREDITANDO DE TUDO QUE ELA ESTAVA FALANDO PRA ELE, QUE ERA A GRACIOSA REVELAÇÃO DA CARTOMANTE. CLAMAVA EM VOZ ALTA.
-  NÃO DIGA ISSO, CAMILO. SE SOUBESSE COMO EU TENHO ANDADO POR SUA CAUSA. VOCÊ SABE; JÁ LHE DISSSE. NÃO RIA DO MEU SENTIMENTO.
- ISSO NÃO E COISA QUE SE FAÇA COM NIGUÉM.
  CAMILO COMO SE SENTIU CHOCADO COM AQUELA SITUÇÃO RSOLVEU CONSERTAR O ERRO RAPIDAMENTE ANTES QUE FOSSSE TARDE. PEGOU NAS MÃOS DELA E FALOU  OLHANDO FIXO EM SEUS OLHOS QUE LHE  QUERIA MUITO.
CAMILO COMO FOI CRIADO POR SUA MÃE, SEM ACREDITAR NAS COISAS SUPREENDNTES DA VIDA, RESOLVEU ZOMBA DE TUDO QUE A JOVEM FALAVA. SEMPRE QUE TOCAVA NESSE ASSUNTO ELE RIA. DIANTE DO MISTÉRIO, CONTENTOU-SE EM LEVATAR OS OMBROS, E FOI ANDANDO.
SEPARARAM-SE CONTENTES, E TINHAM A CERTEZA DE UM AMOR ENTRE OS DOIS. ONDE EXISTIAM OS ENCONTROS AMOROS ERA NA ANTIGA CASA DA RUA DOS BARBANOS, UMA CHEGADA DA RITA. ESTA DESCEU PELA RUA DAS MANGUEIRAS, NA DIREÇÃO DE BOTAFOGO, ONDE RESIDIA; CAMILO DESCEU PELA RUA DA GUARDA VELHA, OLHANDO DE PASSAGEM PARA CASA DA CARTOMANTE QUE ELE TANTO RIA.
VILELA, CAMILO E RITA, TRÊS NOMES, UMA AVENTURA E NEM UMA EXPLICAÇÃO DAS ORIGENS. CADA UM TOMOU RUMO DIFERENTE.
VILELA SEGUIU A CARREIRA DE MAGISTRADO, CAMILO ENTROU NO FUNCIONALISMO, VILELA NA PROVÍNCIA.
AO PASSAR UM TEMPO TODOS SE UNIRAM DE NOVO, E COMEÇARAM A COMENTAR DE SUAS VIDAS AMOROSAS, E CAMILO FICOU SOPRESSO QUE TUDO QUE A CARTAMONTE TINHA FALADO ESTAVA SENDO REALIZADO.
QUANDO A MÃE DE CAMILO MORREU, OS TRÊS SE SE UNIRAM NOVAMENTE COM UM LAÇO, MAIS FORTE. TODOS O AJUDARAM, MAS EM ESPECIAL FOI RITA QUE ESTAVA SEMPRE GRUDADINHA AO SEU LADO, CUIDANDO DE SEU CORAÇÃO, NÃO PODERIA EXISTIR UMA PESSOA MELHOR DO QUE ELA.
CAMILO COMEÇOU A RECEBER UMAS CARTAS ANÔNIMAS FALANDO QUE SEU AMOR COM RITA NÃO IA DURAR MUITO TEMPO. MAS ELE COMO NO ACREDITAVA EM NADA E NÃO TINHA MEDO DE NADA, RESOLVEU DEIXAR ESSE ASSUNTO PRA TRÁS. PORQUE NÃO TINHA IMPORTANCIA NA VIDA QUE LEVAVA, CHEIA DE SUPRESAS.
EM UM DIA QUALQUER CAMILO RESOLVEU IR À CASA DA CARTOMANTE TIRAR DÚVIDAS, DE TODAS AS CARTAS QUE ESTAVA RECEBENDO. ELA O MANDOU ENTRAR E SE SENTAR A VONTADE, QUE IA LER AS CARTAS. NESSE MOMENTO, ELA COMEÇA A FALAR           QUE ELE TEM UM GRANDE MEDO.
-  EU GOSTARIA DE SABER SE VAI ACONTECER ALGUMA COISA A MIM E A ELA, EXCLAMOU COM SEGURANÇA.
- AS CARTAS DIZEM-ME...
ENQUANTO  VOCÊ E A ELA NADA ACONTECERÃO, MAS   O TERCEIRO, IGNORAVA TUDO. NÃO SEGURO, EXISTIA INVEJA E DESPEITOS. ISSO TUDO ERA PORQUE ELE TINHA INVEJA DO AMOR ENTRE OS DOIS.
VILELA ENVIA O CONVITE PARA CAMILO IR ATE SUA CASA. LOGO ELE SEGUE DEVAGARINHO SEM PRESA E SEM MEDO, POIS A CARTOMANTE TINHA LI DADO A CERTEZA QUE NADA ACONTECERIA NA SUA VIDA AMOROSA. ELE FOI SUPER FELIZ SORRINDO E COM SARTISFAÇÃO DA VIDA QUE LEVAVA.
CHEGANDO PERTO DA CASA DE VILELA OLHA PARA O CEÚ E DIZ:
- OBRIGADO SENHOR POR TER COLOCADO RITA NA MINHA VIDA.
AO CHEGAR DIZ AO AMIGO:
-  DESCULPA VILELA NÃO PUDE VIR, MAS CEDO; QUE HÁ?
ELE NÃO LHE RESPONDE; TINHA AS FEIÇÕES DECOMPOSTAS; FEZ-LHE SINAL, E FORAM EM CAMINHO DE UMA SALA NO INTERIOR DA CASA. SURGIRAM GRANDES GRITOS, ERA CAMILO QUE ESTAVA VENDO SUA AMANDA AMARADA NO PÉ DE UMA MESSA DAQUELE LUGAR.
FICOU DESESPERADO, E VILELA RAPIDAMENTE ARRASTA UMA ARMA DA GAVETA, PEDE PARA ELE FICAR AO LADO DELA, SÓ QUE ELE JOGA UM VASO QUE SE ENCONTRAVA EM CIMA DA MESA E TIRA A ATENÇÃO DELE.
 COMEÇA A LUTAR OS DOIS, DEPOIS DE TANTA LUTA VILELA ATIRA, MAS A BALA ACABA PEGANDO NELE PRÓPRIO.
COM ISSO CAMILO FICOU TRÍSTE POR PERDER O AMIGO, MAS FICOU ALEGRE EM RECUPERAR SEU AMOR DE VOLTA EM SEUS BRAÇOS.
DEIXO AQUI A SEGUINTE CERTEZA QUE VALE A PENA LUTAR PELA A PESSSOA AMANDA.
E NUNCA DEIXE PRA DIZER A SEU AMANDO O QUER VOCÊ SENTE POR ELE, POIS NUNCA VAMOS SABER O QUE O DIA SEGUINTE NOS PREPARA.








































segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

CONFLITOS DA VIDA

Texto Reflexivo da aluna Hérica - Turma 4204- Ensino Médio- Agropecuária do IF Sertão PE.


Conflitos da Vida

Na vida passamos por altos e baixos, momentos bons e ruins. Sofremos, choramos, sorrimos, e mesmo assim, mantendo a cabeça erguida. Quando encontramos pessoas verdadeiras são aquelas que só  querem ver o nosso bem. Onde encontramos amores sinceros e não damos valor. Encontramos também amores de somente uma noite, por quem nos não damos valor, e acabamos nos decepcionando, mas depois de muito tempo a pessoa vai vendo, quem o ama de verdade, quem lhe queria bem, quem realmente gosta de você, quem queria está ao seu lado. Mas o tempo passa, as pessoas mudam. Tudo fica diferente nada é como antes; vem a saudade e quando ela insiste em bater, machuca muito, dá vontade de chorar, desabafar, ficar sozinha. Não querer saber de nada e de ninguém, parece que seu mundo vai acabar ...
 Você fica triste do nada, quer desistir de tudo. Mas temos que ter fé, erguer a cabeça, porque tudo da vida passa, por mais que demore, um dia passa a dor. É questão de tempo, mas desse jeito vamos vivendo. Somos humanos, não conseguimos ser perfeitos . 

Hérica numa atividade de leitura e escrita em sala de aula.

Cinema com a turma do Ensino Médio - 4204 no River Shopping

Alunos da Turma 4204 no cinema do River Shopping
para assistir ao filme Gonzaga de Pai para filho

Momentos de Grande Alegria






Na tarde da quarta-feira, dia 05 de dezembro, fomos ao cinema
ver o filme de Luiz  Gonzaga.

Primeira vez que Adão, da turma 4204 Agropecuária - Ensino Médio
 tem a oportunidade de ver um filme no cinema. 


NARRATIVAS DA TURMA 4204 - ENSINO MÉDIO - AGROPECUÁRIA

TEXTO 01
O Coelho Objetivo



Era uma vez um coelho que morava com o seu pai em uma pequena casinha em uma linda floresta. O pai do coelho sempre dava dicas para que ele fosse um rapaz honesto e no momento o objetivo do coelho era apenas estudar, mas com a crise financeira que o pai do coelho tinha,  dificultava um pouco a vida desse pequeno.

Sem pensar na distância em que ele percorria os dias para estudar. Ele sempre estava feliz. O pai do coelho sempre falava:
-  filho, estude para você ter uma vida boa e não igual a minha. Quero que você tenha a vida boa para dar orgulho para o seu velho pai.

Infelizmente, quando o coelho era criança, perdeu a sua mãe que foi morta e o seu pai ficou com a guarda do coelhinho para cuidar dele e também avaliar a morte da sua linda esposa. Mas o pai tem que se conforma com a dor da perda,  até seu filho para não entrar em depressão. Se o pai do coelho ficasse doente, o coelhinho não teria condições de ir estudar e pensar na felicidade e no futuro.
  
Turma: 4204 - Ensino Médio Agropecuária 
 Nathaly, Brisa,Thiago Santos,Jaqueline Alves,Francisco Iury

TEXTO 02

O ASSALTO
                                                                                                                                                                                    
No dia 03 de maio de 2011, eu estava na rua passando olhei as de vitrines de uma loja e resolvi comprar umas pares botas. Quando, fui pagar com o meu cartão de crédito, deu um problema na senha assim eu teria que ir até o banco para resolver. Minutos depois, cheguei ao banco para resolver o problema. Quando estava falando com o gerente geral. Chegaram uma quadrilha de assaltantes para roubar o banco.
 Eles já estavam com o gerente. Já chegaram dizendo:
- Todo mundo deita no chão e não se mova.
 No momento em que eles estavam rendendo os clientes, a assessora do banco que estava em outra sala acionou a polícia. Os bandidos estavam como o petrecho de guerra: fuzil, metralhadoras e etc., um deles avistou a polícia e começou a falar alto:
- Sujou! Sujou! É os homens.
Eles começaram a trocar tiros. Meia hora depois cessaram o tiroteio. Assim começaram as negociações e vieram as exigências dos bandidos, coletes helicóptero, advogado  e repórteres presentes. Os policiais cumpriram as exigências e depois disso eles si entregaram. Com um mês depois recebi a intimação para ir depor contra os bandidos, pensei em não ir mais, depois analisei e fui.
 Chegando ao fórum, fui fazer parte do júri, quando os bandidos entraram no tribunal; senti um pouco de medo, mas fiquei tranquilo porque tinha um monte de policiais. Havia dois juízes para julgá-lo.
Com o fim do julgamento, os homens pegaram 90 anos de cadeia. Sei que eles não vão esses tempo todo lá. Fiquei mais calmo, pois  eles vão ficar um bom tempo na prisão.

Turma: 4204 
João Paulo Silva.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

DECLARAÇÃO AMOROSA DO JOVEM EDIONES MOVIMENTA O DEBATE SOBRE O FICAR



Após as apresentações das entrevistas,  o jovem Ediones ( turma 4204 - Ensino Médio) pediu uma colega em  namoro e declarou seu amor por ela. Esta atitude inesperada causou euforia nos presentes, já que a discussão era sobre FICAR E O NAMORO ESTAVA EM SEGUNDO PLANO. 
FOMOS SURPREENDIDOS E FICAMOS ENTUSIASMADOS COM A ATITUDE DO JOVEM.

Se há sentimentos, o FICAR se torna mais envolvente.






Ediones, Áureo Caíque e demais colegas durante as
 apresentações  sobre o FICAR


Quando se reorganizaram os representantes dos grupos iniciaram o debate. A plateia participou com algumas intervenções. Para os jovens, o FICAR é natural, mas é preciso ter alguns cuidados com as escolhas feitas.

Agradecimento  especial a Maíra Gabriela, monitora de Língua Portuguesa,
aluna de Horticultura Superior do IF CAMPUS Agrícola.
Presença de Ariane do curso de Horticultura Superior, nossa voluntária.


Cada equipe escolheu um representante para debate o TEMA : FICAR.

As presenças de alunos e alunas de outros cursos do IF CAMPUS AGRÍCOLA contribuíram
para que o DEBATE FOSSE  MAIS ENTUSIASMADO.  Destaque para Hérica, nossa fotógrafa do Evento.
MUITO OBRIGADA!


Apresentações das Entrevistas com os jovens sobre o FICAR


A turma 4204 – Agropecuária – Ensino Médio 1º ano participou de uma atividade de produção textual com o objetivo  de realizar um debate sobre o tema “FICAR”.


A atividade foi dividida em etapas:

1. Leituras  sobre  o texto Argumentativo Oral recomendadas  pelo  livro Português:Linguagens de William Roberto Cereja e Tereza Cochar Magalhães da Atual Editora.  Nas sugestões propostas pelo livro os alunos foram divididos em grupos por cores para entrevistar os jovens internos e semi-internos sobre os aspectos que envolvem a sexualidade e o ficar.

Foram 70 jovens entrevistados sobre as seguintes questões:

a) Você ver algum mal em “ficar”?
b)Na sua opinião, deve ou não haver sentimento quando se “fica” com alguém?
c) O que acha de adolescentes que chegam a ficar com três ou mais parceiros numa única noite?
d) Alguma vez se sentiu pressionado(a) pelos amigos a também “fica” com alguém?
e) Na sua opinião, “ficar” é uma forma de conhecimento do outro ou é apenas um desafio a ser vencido?
 Se você já “ficou” com alguém, teve coragem de contar para seus pais? Como eles reagiram ou como você acha que eles reagiriam se soubessem?
f) Na sua opinião, o “ficar” deve envolver sexo?

Em seguida, os alunos com o apoio do professor de Matemática Pedro Macário e outros colegas transformaram os dados coletados em gráficos para ilustrar as respostas.Quando fizeram as entrevistas, a turma 4204 encontraram diferentes respostas que traduzem o comportamento atual dos jovens.

A última etapa dessa atividade será o registro  por meio de relatos os quais serão postados neste blog.













Atividade Coletiva de Elaboração de Crônicas Reflexivas no Ensino Técnico



Os textos abaixo são da turma 1254 - Agricultura - Pós-médio do IF Campus Agrícola na habilidade de Língua Portuguesa neste segundo semestre de 2012. A atividade consistiu em ler crônicas de Rubem Braga, Armando Nogueira e construir textos a partir das peculiaridades deste gênero. O interessante é que a atividade foi feita em grupos, duplas e, em seguida, com  apresentação e leitura para a turma. Alguns textos que serão postados ficarão sem um desfecho, para que outras turmas do técnico continuem a narrativa a partir da história interrompida. Gostaríamos que todos participassem desta produção e deixassem os comentários.

Texto 01 - A vida de Joana

 A  vida de Joane é algo admirável.  Sou sua vizinha há dez anos, e durante esse tempo sempre observei  o seu modo de vida.
 Levanta cedo e sempre com a mesma dedicação, prepara o almoço para seu marido Antonio e seus filhos. O marido trabalha em uma empresa agrícola como tratorista, o qual é o seu único ganha pão. Eles moram no interior da Bahia, um lugarejo pouco desenvolvido, que não permite muitas opções de emprego.
 Dois filhos e a mulher gravida, uma sogra doente que sempre está precisando dos cuidados deles.  Mesmo com tantas dificuldades, não desistem, querem ser felizes e tentam alcançar este objetivo. Antonio resolveu estudar para dar algo de melhor a sua família;  é um sonhador. Joana o ajuda como pode, uma verdadeira dona do lar, cuida da casa e dos filhos com muita dedicação. Enfrentam muitas dificuldades, mas  é um casal unido há 12 anos, às vezes brigam e tem desavenças como todos os casais. Existe um amor puro entre eles, simples como o pôr do Sol adormecendo e humildemente deixando toda a beleza da sua luz iluminar a lua. Desejam ficar juntos e vencer todas às barreiras de uma vida simples que vivem com uma alegria imensa estampada no sorriso e sonhos a serem realizados.
Grupo: Ana Karina, Verônica, Gleiciane,  Regina, Itallo.
Turma: 1254


MOMENTOS FELIZES

Um dia eu estava ali sentada a observar o meu mundo... E foi nesse momento que me veio um flashback de minha infância, que foi  de momentos felizes e ruins... Veio a lembrança de quando estava aprendendo a andar de bicicleta... Meu avô me dando força, dizendo-me: ­­­­ Não tenha medo! Vai! Não tenha receio!..... E lá fui na primeira tentativa.... Boom! Neste momento, eu acabava de cair e cortar o meu joelho. Fiquei tão triste, chorando, já ia desistindo quando uma mão apareceu. Era meu avô, veio me ajudar a superar o acontecido, porém, disse-lhe:
- Vô, eu não consigo! Tenho medo de me machucar de novo! E ele olhando disse:
 - Kellynha, nunca se ganha sem tentar. Veja as formigas, que mesmo sendo pequeninas, não desistem de carregar algo mais pesado que elas mesmas! então, não desista! Você é capaz!
Ouvindo aquelas palavras sábias, resolvi tentar de novo; sentei no quadro, segurei no guidon, olhei para frente e fui ...

Katiucy - Turma:1254

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

A CARTA MISTERIOSA - CRÔNICAS NOS CURSOS TÉCNICOS



O primeiro módulo de Agronegócios da turma 1254, Agricultura, Pós-médio com a Habilidade de Língua Portuguesa teve a oportunidade de desenvolver em 28 horas algumas atividades de Produção Textual para o aprofundamento do conhecimento sobre Gêneros Textuais. 

Selecionei  a elaboração de CRÔNICAS como a forma mais descontraída e nem por isso, tão simples de incentivá-los a escrever. Como resultado, apresento alguns textos para serem  comentados por nossos seguidores.



TEXTO 01 - CARTA ENTREGUE A MÃOS ERRADAS

Num belo dia chuvoso, estavam dois amigos em casa assistindo  um filme. Foi quando ouviram o barulho da campainha, era o carteiro. Ele entregou a carta e saiu rapidamente.                                                                   
Quando foram ver a carta, perceberam no destinatário que era para outra pessoa. Lá foram eles atrás do carteiro e falaram o problema.
  O carteiro exclamou:  
   -- O número dessa casa não e 55?  
Eles responderam: é.
 -Na carta não está escrito que é pro 55? Então é aqui mesmo!
Depois de muita confusão, resolveram abrir logo e ver o que estava escrito.                                                             Vinha dizendo o seguinte:                                                  
-Deixo minha herança pra você meu querido sobrinho! Estou lhe esperando para colocar tudo no seu nome. Eles não acreditaram no que estavam lendo, ficaram surpresos e contentes.
No dia seguinte a campainha tocou novamente. Um abriu a porta e perguntou quem era. O rapaz falou:                   
- Eu sou o verdadeiro dono da carta que vocês receberam ontem, podem me devolver. Como assim?  -   Eu morava nessa casa antes de vocês, minha tia pensa que ainda moro, por isso que essa carta chegou aqui.  Como você soube? Meu ex-vizinho me ligou contando. Vocês vão me entregar por bem ou por mal! Se não entregarem vou chamar a polícia!                                    
  Eles entregaram a bendita carta e o rapaz foi embora.  
Um dos amigos falou para o outro: 
 - Você pensou que tinha ficado rico da noite para o dia e se deu mal. Bem que disseram que alegria de pobre dura pouco!

TEXTO 02 

A Carta

No dia 1° de outubro chega um humilde trabalhador com uma carta. /ELe se aproxima e entrega a meu colega e saiu rapidamente. Não falou seu nome e na carta não tinha nenhuma  identificação. Ao abrir ele se assustou.
 Perguntei o que estava escrito, mas ele não quis comentar nada, perguntei novamente,  ele começou a chorar, ficou com os olhos vermelhos de tanta tristeza. Peguei de suas mãos e comecei a ler, estava escrito que sua namorada estava com as malas prontas para viajar.
 Meu amigo desesperado começou a correr em direção a casa dela, quando ele se aproximou ela já tinha pegado um táxi para ir para o aeroporto.
 Desesperado entrou na frente de um veículo parando-o , entrou num carro e falou com o motorista pra deixá-lo no aeroporto...

   Lucas Da Silva

TEXTO 04

Uma  carta misteriosa que chegou no dia 22 de outubro, para mudar a vida de uma familiar humilde que batalha para sustentar-se
João casado com Ana pai de quatros filhos trabalha de sol a sol, na rua como catador de latinha e papelão para ver o sorriso de seus filhos, pois o que mais lhe entretecia era ouvir os seus filhos pedir algo, e não poder dar.
De manhã cedo, sai para trabalhar e Ana  fica com seus filhos em casa .Vieram de uma família muito  pobre ,mas isso não os impedia de sonhar. Emocionado, fala que não teve estudo nenhum, mas que a sua alegria e ver os seus filhos na escola.
Certo dia quando retornava do trabalho, encontrou um saco abandonado, junto com papelão. Não conteve, pegou o saco e levou para casa, juntamente com sua esposa e o abriu.
Ficou abismado com a quantidade de dinheiro, não pensou duas vezes, procurou a polícia para devolver o pacote.
O policial admirou sua honestidade. E esse valor encontrado era de um empresário bem sucedido, que tinha sido assaltado, bem no começo de Outubro. O policial entrou em contato com o empresário  e disse que o pacote havia sido encontrado por um catador de papelão.
O empresário ficou muito grato pela ação. Ele enviou uma carta como gratificação,dizendo que mudaria a vida da família.
Um mês depois João recebeu a carta, mais uma vez agradecendo, falando que enviaria uma quantia grande em dinheiro para aplicar nos estudos filhos .O empresário lhe ofereceu um emprego. João ficou muito feliz por ter a oportunidade.

Rosimeire


TEXTO 05

O cotidiano em minha comunidade

O dia amanhece as cinco da manhã, os roncos dos motores anunciam  que é hora de partir para uma nova esperança de uma nação, que quase a maioria são assalariados e prestadores de serviços,   para grandes empresas de produção de frutas. Os patrões acham que o povo é obrigado a comer pão dormido.

Enquanto tomo meu café da manhã,  vou observando da janela da minha casa, o quanto  o governo está   arrecadando  impostos  em vez de aumentar o salário que mal dá pra comer. 

Naquele tempo eu também, como os trabalhadores, fazia o trabalho noturno.  Era pela madrugada que deixava o escritório quase sempre pela passagem da meia-noite, e muitas vezes,  saia já levantando a mão para dar boas vindas para um novo dia.

 Teonis Batista




quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Os alunos e alunas da turma 1254 - Agricultura - Pós-médio estiveram no laboratório de Informática com a Professora Antonise para conhecer o blog. Na oportunidade, interagiram com os textos publicados. Agora, teremos as produções da respectiva turma  ( 1254) neste espaço. Comentem os textos postados.



Aluna Gleciane da Turma 1254 - Agricultura 







Os textos abaixo são da turma 1254 - Agricultura - Pós-médio do IF Campus Agrícola na habilidade de Língua Portuguesa neste segundo semestre de 2012. A atividade consistiu em ler crônicas de Rubem Braga, Armando Nogueira e construir textos a partir das peculiaridades deste gênero. O interessante é que a atividade foi feita em grupos, duplas e, em seguida, com  apresentação e leitura para a turma. Alguns textos que serão postados ficarão sem um desfecho, para que outras turmas do técnico continuem a narrativa a partir da história interrompida. Gostaríamos que todos participassem desta produção e deixassem os comentários.

Texto 01 - A vida de Joana

 A  vida de Joane é algo admirável.  Sou sua vizinha há dez anos, e durante esse tempo sempre observei  o seu modo de vida.
 Levanta cedo e sempre com a mesma dedicação, prepara o almoço para seu marido Antonio e seus filhos. O marido trabalha em uma empresa agrícola como tratorista, o qual é o seu único ganha pão. Eles moram no interior da Bahia, um lugarejo pouco desenvolvido, que não permite muitas opções de emprego.
 Dois filhos e a mulher gravida, uma sogra doente que sempre está precisando dos cuidados deles.  Mesmo com tantas dificuldades, não desistem, querem ser felizes e tentam alcançar este objetivo. Antonio resolveu estudar para dar algo de melhor a sua família;  é um sonhador. Joana o ajuda como pode, uma verdadeira dona do lar, cuida da casa e dos filhos com muita dedicação. Enfrentam muitas dificuldades, mas  é um casal unido há 12 anos, às vezes brigam e tem desavenças como todos os casais. Existe um amor puro entre eles, simples como o pôr do Sol adormecendo e humildemente deixando toda a beleza da sua luz iluminar a lua. Desejam ficar juntos e vencer todas às barreiras de uma vida simples que vivem com uma alegria imensa estampada no sorriso e sonhos a serem realizados.
Grupo: Ana Karina, Verônica, Gleiciane,  Regina, Itallo.
Turma: 1254


MOMENTOS FELIZES

Um dia eu estava ali sentada a observar o meu mundo... E foi nesse momento que me veio um flashback de minha infância, que foi  de momentos felizes e ruins... Veio a lembrança de quando estava aprendendo a andar de bicicleta... Meu avô me dando força, dizendo-me: ­­­­ Não tenha medo! Vai! Não tenha receio!..... E lá fui na primeira tentativa.... Boom! Neste momento, eu acabava de cair e cortar o meu joelho. Fiquei tão triste, chorando, já ia desistindo quando uma mão apareceu. Era meu avô, veio me ajudar a superar o acontecido, porém, disse-lhe:
- Vô, eu não consigo! Tenho medo de me machucar de novo! E ele olhando disse:
 - Kellynha, nunca se ganha sem tentar. Veja as formigas, que mesmo sendo pequeninas, não desistem de carregar algo mais pesado que elas mesmas! então, não desista! Você é capaz!
Ouvindo aquelas palavras sábias, resolvi tentar de novo; sentei no quadro, segurei no guidon, olhei para frente e fui ...

Katiucy - Turma:1254

quinta-feira, 13 de setembro de 2012



AS BRINCADEIRAS DE INFÂNCIA
O dia já se preparava bem: não havia nuvens no céu. Seria quente demais! Naquele horário de início da manhã, o sol não estava tão escaldante. Esses pensamentos povoavam minha mente enquanto seguia para a Faculdade. Passei por uma professora acompanhada por vários jovens com bolas, cordas para as aulas de educação física, algo comum, aparentemente.
Fui para o segundo andar  à espera de uma colega. Meu colega Genivaldo já estava recostado numa janela; Assim que me viu, ele disse: - vem cá,  Antonise. 
Achei que era para falar de assuntos da atividade a ser realizada em seguida.Me  aproximei da janela, no segundo andar, pude ver um grande grupo de crianças e pré-adolescentes em vários pequenos grupos, brincando  de roda, peteca, bola de gude, pula corda.
O colega me chamou a atenção para a  situação, pois as brincadeiras eram resgatadas pelos estudantes e nenhum ficava parado. Era grande  interesse, sorriam bastante, recebiam orientação da professora com alegria, uma algazarra prazerosa
Fiquei admirada com a cena, afinal, aula de educação física como resgate de atividades lúdicas era impressionante.  Daquela observação, eu e Genivaldo falamos sobre as nossas infâncias e o quanto era significativo e necessário para os nossos alunos aquelas brincadeiras.
 A escola pode oferecer oportunidades de integração e construir um sentimento de prazer, de volta às práticas realizadas pelos pais, avós, sem abandonar o antigo.
Aquela professora deu possibilidades de integração e atividades bem diferentes do mundo dos jovens de hoje, pois certamente, boa parte utiliza a internet e as redes sociais como ferramenta de comunicação, mas desconhece esses hábitos de brincar.
 Senti meu coração disparar ao relembrar os dias de alegria com minhas irmãs e primos na pracinha ao lado da casa da vovó.  Genivaldo também relembrava a infância. Ficamos por alguns instantes em completo silêncio e observação.Reencontrar nossa infância nas brincadeiras de roda, de peteca, com a corda, com a bola de gude  foi uma cena inesquecível.

Texto produzido pela Professora Antonise Aquino





terça-feira, 24 de julho de 2012

PROMOÇÃO: VOCÊ TEM VOZ?



ENTÃO EXPRESSE. E SEJA UMA LENDA VIVA.


Para cultivar o grande sucesso do blog Tempo da Palavra e estender as relações com os alunos do Instituto Federal do Sertão Pernambucano lançamos a desafiadora promoção: “Uma voz, uma lenda”. Serão três escolhas simples para libertar sua imaginação e emocionar nossos leitores. Cada participante poderá participar enviando um texto fictício no estilo narrativo (que conta uma história) para o e-mail: tempodapalavra@live.com , usando algum dos temas centrais listados abaixo:

O mundo precisa de mim.
O mundo precisa de minha ideia.
O mundo precisa de coragem.

As regras para participação são:

  • Ser aluno de qualquer curso do IF-SERTÃO- Campus Petrolina Zona Rural.
  • Utilizar nome completo e identificação de curso e turma no envio do email.

O período para participação e envio dos textos é de 24/07/12 a 04/08/12.


O resultado com os três melhores textos serão postados aqui dia 07/08/12 e depois passarão pela segunda etapa do voto popular para escolha do mais criativo e emocionante. O vencedor final terá uma surpresa épica e digna de filme.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

SOBRE O BLOG

Palavra enérgica, vibrante, atual que traduz os anseios dos alunos nos momentos de produção textual. As experiências de leitura e escrita serão tranformadas em conhecimento espontâneo, criativo. O caminho deste processo é o uso da linguagem com carga de emoção e significados, mas sem excessos. O nosso objetivo é extrapolar as paredes da sala de aula e tornar as estratégias desenvolvidas como um dos meios disponíveis para dar voz ao pensamento dos nossos educandos. Professora Antonise.

terça-feira, 26 de junho de 2012

O aroma natural do Instituto Federal Sertão PE - Campus Rural



O exercício foi gratificante e trouxe o desejo de realizar práticas de linguagem em outros contextos de aprendizagem. Compartilho com os colegas esta experiência porque, muitas vezes, nós, do ensino de Ciências Humanas delimitamos nossas estratégias de Ensino ao espaço acadêmico, teórico, quando nossos estudantes querem outras possibilidades.  Professora Antonise - 26/06/2012.



Deus em sua magnitude nos presenteou com todas as maravilhas que ele criou; e deu ao ser humano a alegria de está inserido a todas essas maravilhas.
Segundo São Francisco de Assis, devemos admirar o belo e foi assim que fizemos, e saímos do nosso eu, do nosso egocentrismo, da sala de aula, e fomos além mar. 

Percorremos o campo, contemplando cada criação de Deus, das pequenas coisas até as grandes, e percebemos que cada uma é especial e tem seu papel na vida, na mãe natureza, cada uma tem seu brilho, sem sobrepor o outro.

O encanto e aroma matinal traziam um ar de reflexão e paramos para escutar o vento a embalar as plantas, senti-lo tocando na nossa face; escutar o cantar dos pássaros, ouvir o som da água, que esta a correr, e aprender assim como ela, que a nossa vida devemos contornar os problemas e não parar diante deles.

Débora Samira - VE 07

CURTA "VIDA MARIA"



Apreciação sobre o curta-metragem

Como um ciclo que nunca tem fim, Maria foi o nome dado a várias mulheres de uma mesma família e várias gerações.

Por falta de oportunidade e conhecimento essas mulheres viviam apenas para cuidar das obrigações da casa e dos filhos. Como nenhuma delas teve atitude de continuar estudando, não conseguiram aprender, alem do nome, mais conhecimento que pudessem quebrar o ciclo vivido por tantas vitima.

O que uma vivia na infância quando adulta fazia o mesmo com a filha e assim esse tratamento foi transmitido ao longo das gerações.

Isso mostra que muitas pessoas ainda podem está sofrendo com essa desigualdade, sem ter oportunidade de adquirir conhecimento e buscar melhores condições de vida.

O conhecimento é o primeiro passo para libertar uma pessoa de uma vida sofrida e sem condições de melhora. 

Maria Ingrity e Camila Gomes - VE 07

TEXTO:

O curta-metragem Vida Maria retrata a vida de Maria José, uma menina que é obrigada pela mãe a largar os estudos e ir trabalhar, para o sustento da família. O enredo se passa no sertão do Ceará, mostrando a falta de perspectiva de uma vida melhor para a jovem criança e demais personagens.

Com o decorrer do filme, as etapas da vida de Maria José vão sendo mostradas: juventude, fase adulta e envelhecimento. Todas essas fases, regadas a muito sofrimento.

Ainda idosa, com seus oito filhos, Maria José comete o mesmo erro de sua mãe: põe a única filha que ela teve para trabalhar.O curta termina com a cena de um velho caderno, sendo folheado pelo vento. Nesse caderno, continham desenhos e nomes das “Marias” daquela geração. Esse ciclo parece continuar ainda nos dias de hoje.

O documentário é bem didático, e mostra a vida de uma garota que é obrigada a deixar de estudar para trabalhar. Uma infância sendo interrompida, com ausência de diversões e conhecimentos através de leituras. Uma ausência que irá refletir mais tarde, tornando a Maria José uma pessoa ranzinza. 

O vídeo passa a mensagem que é a de nunca acomodarmos naquilo que vivemos, pois o tema do curta é um problema de todos nós e não só da Maria.

 Jonas Melo e Adriano José

A Importância da Linguagem


Destaco os textos de José Uelison, aluno de Horticultura - Superior,  porque me senti envaidecida com a singela manifestação deste jovem ao refletir sobre a linguagem. É interessante quando o professor propõe uma atividade e  tem como resultado um produto elaborado com dedicação, entusiamo e além do que foi proposto. As atividades de produção textual realmente assumem um grande valor nas aulas de Língua Portuguesa.

A Linguagem

Há muitas maneiras de nos comunicar. Por sinais; da escrita; da música; da pintura; entre outros, que também são formas de manifestar alguns sentimentos, sejam eles bons ou ruis.
Em todo instante, fazemos uso de uma forma de linguagem que estabelece uma relação de interação com algo ou alguém. E a maneira como isso acontece, revela traços próprios: de que somos; de onde viemos; o que queremos e para onde vamos, criando assim uma identidade pessoal.
Eu utilizo no meu dia a dia, uma linguagem poética; musical filosófica, para não dar ouvidos ao rufo dos tambores da insegurança, e do medo de encarar o novo, olhando com sensibilidade tudo que esta a minha volta e descobrindo que apesar dos muitos espinhos que compõe o mandacaru, ao cheiro das águas ele desabrocha lindas flores de perfume particular.
Crio conceitos; reformulo preconceitos, baseando-me na interação com os meios. Através de múltiplas linguagens, escrevo uma historia pessoal e coletiva; preservando  culturas que me  fazem  lembrar  de minhas raízes plantadas no mural de minhas memórias.  
                                                                José uelison da silva TH12

Olhos de alquimia


Todos os dias, temos que encarar o novo, o desconhecido, e muitas vezes isso nos causa medo. Mas é o medo que chama a coragem, que mostra para nós que podemos o que queremos.
Temos duas alternativas: encarar os novos desafios; criando forças que espantem os fantasmas que insistimos em deixar ficar conosco, ou fugir mostrando que nossa força de vontade é menor que a coragem para usar nossa capacidade de superação.
Tudo vai depender do ângulo que queremos enxergar. Quando começamos a olhar para algumas coisas que ate então não dávamos atenção, e por isso não tinham valor ou significado, descobrimos que a vida só faz sentido porque elas existem.
Assim, podemos olhar para uma pedra, e ver um travesseiro; uma cadeira; um empecilho. Passamos a ver uma pessoa simples e enxergamos um anjo, que leva as pessoas que estão ao seu redor para um vôo mágico ao sabor do vento, sem ter asas.
Podemos ter um problema, e descobrir que ele não é motivo para desistir; mas a oportunidade de usarmos habilidades que desconhecemos ter, para solucioná-lo.
Quando contemplamos o céu e aguçamos nossa visão, não o vemos apenas como um grande espaço azul cheio de fumaça; descobrimos que  é um grande mural de Deus onde ele escreve as nuvens que falam e ensinam conselhos.
          
 José Uelison da Silva -  TH12