terça-feira, 15 de outubro de 2013

SAUDADE DA INFÂNCIA À SOMBRA DOS IMBUZEIROS


Adão Santana e Higor Macedo

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida,
Oh! Como eu queria a minha infância de volta!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras debaixo de um umbuzeiro,
À sombra das bananeiras,
e comendo as frutas que eu escondia nos laranjais!
Como são belos os dias
Do despontar da existência!
- Respira a alma inocência
Como perfumes a flor do pé de umbuzeiro;
A lagoa é mar onde não tem água,
A caatinga - é um cinzeiro só avistado,
trabalhar – tinha uma preguiça danada,
trabalho – uma palavra muito chata de ouvir!

Que sol, que calor, que preguiça,
Que noites dormi na casa da minha tia,
Naquela agonia, com as muriçocas me mordendo,
queriam me sugar vivo!
O céu eu via pelos buracos que tinha nas telhas,
A terra deserta, sem nem um pé de árvore,
O vento levantando as telhas,
E a luz ali só do candeeiro!

Oh! dias de minha infância
Oh! meu céu de verão!
Que doce a vida não tinha nada,
Nessa tristonha manhã!
Em vez das mágoas de hoje, já vinha também as do amanhã,
E com isso tudo eu tinha da minha mãe uma boa educação, era uma ‘pisa’ todo dia,
querendo ou não,
De meu pai, as reclamações,
E trapaças da minha irmã,

No meio da chapada,
Eu ia bem satisfeito,
Da camisa aberto vai um pau e pegou no meu peito,
- Pés descalços cheios de espinhos, braço queimados do sol ,
Correndo pela caatinga, com um facão na mão abrindo carreiro,
Atrás da criação,
Atrás da cabras roceiras para encangar*,

Naqueles tempos ditosos
Ia catar feijão, enchendo minhas mãos de calos,
Trepava a tirar os umbus,
Brincava à beira da barragem,
Rezava às Ave-Marias,
Pra que tivesse comida todo dia,
Adormecia sorrindo
E despertava a cantar!

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida
Da minha infância querida
À sombra dos umbuzeiros!

Encangar – é um termo usado no Nordeste do Brasil para designar o objeto feito de madeira, em formato de um triângulo, colocado nos animais para evitar que passem por cercas.  ( Conceito dos Alunos)
Adão Santana e Higor Rodrigues
Turma: 4204


Um comentário:

Maiany disse...

Amei galera vocês tiveram uma grande imaginação e criatividade para este poema.