segunda-feira, 24 de março de 2014

O café da manhã: sem café

Esta Crônica Reflexiva nos surpreende ao questionar o valor da família. A atividade foi elaborada em casa  e corrigida pela professora. Durante a reescrita, Katharina conversa com o leitor e propõe seus questionamentos.  A leitura de outros textos contribuíram para o aprofundamento da escrita. Houve liberdade, preservando os aspectos do gênero trabalhado. Em seguida, os alunos farão os comentários e observações nas produções aqui postadas.
Professora Antonise
O café da manhã: sem café

Por: Katharina Marinho
Turma: 4105 - Agropecuária

Você pode estar se perguntando: "Cara, que coisa mais sem noção! Como alguém escolhe um tema assim?", porém é a mais pura realidade. Você já parou para pensar e se perguntar como era o incomparável café familiar, da época dos seus avós e pais, com o nosso de hoje em dia?
Se sua resposta for não, meu amigo, bote a cabeça para funcionar e investigue a história dos seus pais, garanto-lhe que pode ser surpreendente. Eu mesma decidi revirar o baú de histórias da minha família, e daí, me deparei com as histórias do café, da minha amada mãe.
Maria Ivone, minha mãe, moradora da zona rural durante sua fase de criança, conta que nessa época eram quatro pessoas para o café da manhã: os pais, o irmão e ela. Nesses dias, ela assumiu, que eram difíceis, lhe faltavam comida. Ter cuscuz era um luxo, só tinha na época da safra que era quando minha avó podia colher as espigas e moer os grãos, e fazer coisas diferentes como: canjica, bolo de milho, pamonha, nessa época era uma festa. Fora desse tempo, o que tinha para comer era uma bolacha fofa, feita de farinha de trigo água e sal chamada de mata fome.

Minha mãe conta que leite não faltava, pois seu pai trabalhava numa fazenda e o fazendeiro dava um pouco de leite todos os dias. Fora isso, as únicas coisas que  tinha para comer, eram frutas que ela e seu irmão colhiam nas árvores da fazenda.

Agora me responda: Será que você tem que passar pelo mesmo sofrimento para ter seu café da manhã todos os dias? Você agradece a Deus todos os dias por seus pais terem forças pra trabalhar e trazer o pão pra dentro de casa todos os dias?
Fazemos parte de uma geração diferente e não temos que passar por tanto sofrimento pra ter o café da manhã todos os dias. Seja grato por isso!
Catarina e a Profª. Antonise

2 comentários:

Unknown disse...

Texto interessante da minha aluna Katharina. Vamos comentá-lo?

Unknown disse...

Lindo texto. Bem expressivo e reflexivo.