quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Contando Historia


Meu primeiro cachorro

  Eu o encontrei sujo, ferido e abandonado no meio da chuva. Era muito pequeno, estava triste e abatido, mais tinha um certo brilho em seu olhar. Aquela cena realmente me comoveu, então o que eu podia fazer? Eu sou apenas um simples menino de rua, mesmo sem condições e até mesmo sem destino, ainda assim peguei o cachorrinho nos braços e o levei. Mas para onde? E como alimentá-lo? O pouco que ganhava dividia com ele, dei -lhe o nome de pingo. Aos pouco suas feridas foram cicatrizando e meu cachorro já não mancava mais. 
Certo dia, num sinal fechado um carro preto passou por cima de suas patas traseiras e meu coração chorou só de ouvir seus grunhidos, corri e peguei-o nos braços novamente, dava para sentir lá no fundo da alma seus gemidos de dor. 
Sem pensar muito peguei uma pedra para sacrificá-lo, e quando estava prestes a  fazer, um homem bem vestido e perfumado falou elegantemente:

-  Não faça isso, segurando minha mão, o caso ainda não está perdido. 
O homem era um veterinário que levou o Pingo para seu consultório.
Chegando no local, me perguntou, qual era meu nome, eu lhe respondi:
- Hugo.
E ele perguntou: 
- Como se chamam seus pais?
E eu lhe disse: 
- não tenho pais, senhor. 
O veterinário então abriu um sorriso e falou, sempre quis ter um filho e quero adotá-los. Você e Pingo.

Alunos: Leonardo Brito Macedo e Antônio Hugo

Turma: 4206 

Um comentário:

Profª. Antonise Coelho disse...

Caros alunos Leonardo e Antonio Hugo,
A história de vocês é muito emocionante e apresenta, de forma bem clara, o que é a Compaixão.
Espero que a exerçam em todos os momentos de suas vidas.
Acredito no potencial de cada um. Um grande abraço,
Professora Antonise