domingo, 21 de abril de 2019

Corações a Ermo


POEMA: 

    
CORAÇÕES A ERMO

É madrugada, uma réstia de luz assoma-se,
conexão estabelecida de imediato.
Sente um frêmito em seu corpo
Imagens boiam na tela
Mistura de aspereza e ânsia.

Na rede vazia de amor,
não existe corpo entrelaçado noutro corpo,
não existe perfeição,
Apenas a procura, impaciente,
de mãos frenéticas que buscam mais e mais pretensão
nas teclas dos smartphones.
Apelos, clamor e corações a ermo
de todos os lugares do mundo.
Vagueiam à procura de perfis compatíveis
que lhes causem sedução.

Observam as imagens
com traços de juventude de outrora,
na busca por eternidade.
Nesse deserto de sentimentos,
apenas ilusão e mentiras,
“Engano de alma desvairada”,

Vem o arrebatamento e o
sofrer que se estendem aos dois.
Deram sustento à vaidade.
Entre agonias e arrependimento,
 - "Fui sua ... ou não?"
Silêncio absoluto.
E depois?
Continuam a perambular por novas aventuras.

Escrito em dezembro/2018.
Autoria: Antonise Aquino