quinta-feira, 2 de maio de 2019

CRÔNICA: ATÉ A ÚLTIMA GOTA!


UM PEQUENO CONCEITO SOBRE CRÔNICA PARA DAR INÍCIO À LEITURA DO TEXTO: 
 ATÉ A ÚLTIMA GOTA! de minha autoria.
  • A Crônica é um gênero textual que seduz porque está presa ao agora, aos fatos atuais. Originaria do grego Khronos, que significa TEMPO, esse gênero possui diversos significados na Língua Portuguesa.  É um gênero híbrido e oscilante. Capta a atenção do leitor para a mensagem  e faz com que esta permaneça em sua memória, podendo influenciá-lo de diversas formas. ( AGUIAR, 2010). 
  • Referência do livro citado acima: AGUIAR, Luciene. Léxico, Polissemia, Humor e Leitura: um estudo do léxico nas crônicas de Veríssimo. Salvador, Editora Kalango, 2010.




ATÉ A ÚLTIMA GOTA!

                              Antonise Coelho de Aquino

 

Constatei que o melhor a fazer quando estou inquieta e preocupada é buscar a companhia dos livros. Não sinto mais nenhuma outra vontade.

Ontem aconteceu isto comigo e recorri a um livro de Clarice Lispector. Ao folhear as páginas, fiz algumas leituras e me deparei com as seguintes palavras: “Viver o amor até dar uma dor!. Sem nenhum medo. Não mata”.

Lembrava-me das trocas de olhares e elogios de alguns casais, no barzinho e me vi, outra vez, ali, em minha solidão. O que aquelas palavras traziam de significado? Viver o amor até a última gota...

Nunca fui até o gogó, pelo contrário, como forma de proteção, eu fugi de situações amorosas embaraçosas; até mesmo, de alguns sonhos, eu fugi! 

Certas paixões, eu as interrompi e quebrei o encanto. Relembro a pergunta  que me foi feita certa vez:

 - Perdeu o interesse?

Não dei a resposta esperada. Agi num tom meigo e fiz promessas para o dia seguinte. No entanto, não foram suficientes para diminuir a dúvida e me convencer da realidade que eu vivia. Havia dissimulado.

Era o fel da ironia que tripudiava e me fazia refletir...

 ”  Nem me conhece, nem saberá o que sinto de verdade.”
 
Ficou no ar uma certa decepção. O tempo passaria e a maturidade iria trazer a compreensão do turbilhão de sentimentos que pairava nas situações vividas.

Não importa, só havia uma certeza: da próxima vez, precisaria chegar até a última gota!


2 comentários:

Luma 4216 disse...

Linda crônica!
É realmente improtante se aprofundar no amor até a ultima gota. Hoje em dia existem muitas pessoas se afogando em amores rasos, enquanto precisam desfrutar até a última gota de amores profundos.

Paloma 4216 disse...

Bela crônica!
O problema é que a gente mergulha fundo em amores rasos e esquece que não dá pra nadar no seco.
Já dizia Clarice Lispector "Mas há a vida que é para ser intensamente vivida. Há o amor. Que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata."