sexta-feira, 12 de julho de 2019

MEU PRECIOSO SONHO

 A aluna Maria Clara ( Park Clara) nos apresenta um conto muito instigante e envolvente. É com grande satisfação que os leitores apreciarão essa narrativa e o nosso blog se fortalece cada vez mais.  Professora Antonise Aquino


 MEU PRECIOSO SONHO

Maria Clara Braga - aluna de Agropecuária 


Foto tirada por Maria Clara Braga - Pátio do Campus Petrolina Zona Rural 

     A garota de longos cabelos castanhos corria com os olhos marejados em direção a uma pequena praça pouco movimentada da cidade, ao chegar ao local desejado se sentou em um banco debaixo de uma grande árvore e deixou as lágrimas rolarem pela sua face.
As marcas roxas pelos braços denunciavam que a mesma passava por um relacionamento abusivo com o seu namorado que se tornou ex por que haviam rompido e o cara tinha sido preso minutos atrás. A garota se sentia burra por ter achado que aquilo que ela passava era um relacionamento saudável, que todas as vezes ela o perdoou e que caiu em todas as palavras que aquele cara havia dito para fazer sua cabeça.
O choro e os soluços foram cessando aos poucos deixando apenas um rosto vermelho e um pouco inchado, a garota olhava as folhas caírem da árvore a qual estava sentada embaixo, quando sentiu algo molhando sua perna, olhou para baixo se deparando com um lindo cachorro de pelagem clara com a enorme língua para fora, a garota abriu um sorriso e acariciou-o
—Então amiguinho, está perdido?
O mesmo olhou sugestivo e pulou em cima do banco deitando a cabeça no colo da menina como se estivesse pedindo carinho.
—Acho que isso é um sim, um cachorro como você não seria de rua.
Deu de ombros pensando no óbvio já que o cachorro aparentava estar muito bem cuidado e ainda era de raça.
—Em um calor do nordeste como você aguenta esse pelo todo?
Sorriu e notou que o cachorro havia dormindo.
Passou alguns minutos apenas fazendo carinho no animal quando ouviu ao longe uma voz gritando.
—Hoooooope cadê você?
O cachorro que até então dormia acordou se levantou e começou a latir, logo a garota ouviu o barulho de passos se aproximando a mesma apenas manteve a cabeça baixa e assim viu um par de tênis parados em sua frente.
—Tô vendo que você teve um bom motivo para fugir...
Uma voz masculina chegou até o ouvido da morena que levantou a cabeça se deparando com um belo rapaz de cabelos negros e pele clara. O cachorro puxou a blusa do dono como se o chamasse para se sentar e o rapaz assim fez.
—Ele dormiu no meu colo antes que eu pudesse ir atrás de alguém.
A garota disse sorrindo sem graça demostrando seu nervosismo.
—Hope nunca foi dessas coisas é a primeira vez que ele foge.—O rapaz deu de ombros e sorriu de lado.
—Esperança?—A garota disse se referindo ao nome do cachorro.—Gostei do nome.
O rapaz abriu um belo sorriso e relaxou os ombros percebendo naquele momento que estava um pouco tenso.
—Então como a senhorita se chama?
A morena pensou alguns minutos se realmente deveria dizer seu nome à um desconhecido, mas a mesma não tinha nada a perder.
—Me chamo Fernanda.
—Lindo nome assim como a dona.
O rapaz falou baixo.
—Disse algo?
A garota perguntou jurando ter escutado algo.
—Disse que seu nome é lindo.—Falou omitindo o resto da frase.—A propósito me chamo Rafael.
—Belo nome.
A menina disse e logo arrumou seu cabelo em um coque o que fez o garotos reparar nas marcas roxas em seu braço.
—O que são essas marcas?
Rafael segurou o braço de Fernanda analisando melhor as marcas, mas sentiu o braço sem puxado com certa ignorância pela menina.
—Longa história.—A garota suspirou e sentiu a gargantas fechar e os olhos encherem de lágrimas novamente.—Eu vivia em um relacionamento abusivo e bom deu nisso...—Apontou para os próprios braços e deu um riso entre as lágrimas que sem Fernanda perceber já caiam pelo seu rosto.
Rafael chegou mais perto e com o polegar secou as lágrimas da garota, sorriu sem mostrar os dentes tentando passar confiança para a garota.
—Então Feh...que tal irmos comer algo para melhorar seu humor.
Quando Fernanda iria responder viu tudo ficar embaçado, um clarão invadiu sua visão e então se deparou com o teto branco de um hospital.
Olhou para o lado vendo seus pais, que assim que notaram que a menina estava acordada suspiraram aliviados.
—Finalmente você acordou!—As palavras de sua pai ecoaram pelo quarto.
A garota não conseguia pensar nada além de Rafael e Hope serem apenas um sonho.
—Por que estou no hospital?—Foi a primeira coisa que Fernanda consegui pronunciar.
—Seu namorado, quer dizer ex namorado bateu em ti, mas você inventou de se defender ele te empurrou e você acabou batendo a cabeça e desmaiou meu amor.—A mãe olhou para filha enquanto fazia carinho nos longos cabelos da menina.—Chegamos no momento certo e ligamos para a polícia ele foi preso minha filha.
Fernanda tentava racionar tudo que estava acontecendo, assim como no seu sonho seu ex namorado havia sido preso mas ela não encontrou um cachorro e o dono bonito do animal à chamou para sair, infelizmente ela se encontrava na cama de um hospital.
—A paciente finalmente acordou?
Uma voz masculina ecoou pelo quarto e Fernanda desacreditada olhou para o dono da voz se deparando com Rafael vestido em um jaleco.
—Rafael?—A garota gritou assustando o médico.—É você mesmo?
—Como a senhorita sabe meu nome?

"Nosso encontro é como uma fórmula matemática
Um mandamento religioso, providência do universo
A evidência que o destino me deu
Você é a fonte dos meus sonhos
Pegue, pegue
Minha mão se estendendo até você é o destino." (DNA- BTS)

3 comentários:

Unknown disse...

Realmente um ótimo texto, parabéns Maria Clara.

Aliésio Neves disse...

Uau,muito bom ler isso! Muito top vei parabéns

Maria Júlia disse...

Realmente um texto muito bom, linda história.Muito criativa.