segunda-feira, 1 de julho de 2019

POEMA ' VIDA NO MEU SERTÃO'


Luiz Eduardo também explora a temática da Canção do Exílio e traz novas informações sobre o Sertão como o verso " Moro no meu doce/amargo sertão". Leiam!

Vida no meu Sertão


Minha terra tem Umbuzeiro
Onde canta o Cancão
Os pássaros que aqui cantam 

Não cantam como em outro lugar.
Nosso céu é mais bonito
Quando bate a chuva no Sertão 

Nossos riachos têm mais plantação 
Nossa Caatinga têm mais “Bio” 
Nossa “Bio” têm mais alegria
Onde o sertanejo mora com simpatia 

E amor no coração.
Desconfiado, sozinho, à noite 
Procura cavar, onde passa o dia
Em sua moradia tende a ficar.
Com a favela o Bode escapa da seca 

Nas raízes do Umbuzeiro
Sua sede, o Tatu tende a saciar.
Minha terra tem alegria
Que só encontro lá...
Mesmo com todo sofrimento 

Moro no meu doce/amargo sertão 
Com muita satisfação
Não troco meu lugar.
No dia em que eu voltar
Ali pretendo ficar
Na doce terra amada
Escutando o canto do Sabiá
Até o dia em que Nossa Senhora deixar
Só Saio dali, no dia em que Deus me chamar.

Nesse dia saio com alegria
Pois cumpri minha missão
No lugar em que sempre quis estar...


 Luiz Eduardo Pereira de Macedo.

Um comentário:

Gustavo Santos disse...

Oh sertão, boa criatividade Luiz. Parabéns, belíssimo texto 👏