POEMAS E TEXTOS - A Sertaneja desabrocha

Foto tirada do Rio São Francisco do barco que Antonise atravessava para a ilha do Massangano. -
Acervo pessoal Professora Antonise


O CORPO PRANTEIA 

Tarde da noite, sentada no sofá
A sertaneja busca lembranças que não vêm
Nesse intervalo, há um vazio
De dedicação, 
De emoção,
Em vão, percebe que precisa
De tradução.
Não quer certa paixão.
- Vamos deixar isso acabar, mulher!

Briga com o corpo
Que geme desamparado.
A mente se contorce
E esvazia o íntimo e o pudor
Existe um buraco de insatisfação no ser
Uma voz que chega a cochichar:
- Vamos rezar, mulher!

Saída para a serenidade
Exorcizar e refazer o caminho
Fragmentos para a lucidez
Batalhas solitárias com corpo
Que geme desamparado.

Adormece e no meio dos sonhos,
Reencontra o afeto perdido n'algum lugar.
A voz chega mais uma vez
- Vamos acordar, mulher!

Bem longe, ouve uma canção do lado de lá
"É claro que o sol
Vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior
De endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem..."

E em cada passagem do tempo, 
aparece a voz que clama para o corpo que pranteia.

Antonise Aquino
Fevereiro de 2019.

7 comentários:

Thamires de sousa disse...

Belíssimo poema....me fez lembrar tempos atrás que estudava no primario que ensaiamos essa musica...
É claro que o sol
Vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior
De endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem..."

Unknown disse...

Belíssimo poema 👏👏

Unknown disse...

ótimo poema gostei muito

Unknown disse...

Muito criativo,bom mesmo!

Aliésio Neves disse...

Muito top,parabéns gostei muito!

Vitória Régia disse...

Ótimo poema 👏🏼

Unknown disse...

Que lindo,Professora!